Páginas

5.11.16

COLEMAN, James S. (1988). “Social Capital in the creation of human capital”. The American Journal of Sociology, Vol. 94, Supplement: Organizations and Institutions: Sociological and Economic Approaches to the Analysis of Social Structure. (p. S95-S120).

Capital social na criação de capital humano

James S. Coleman - Universidade de Chicago

A concepção do capital social como um recurso para a ação é uma forma de introduzir estrutura social no paradigma de ação racional.

Existem duas grandes correntes intelectuais na descrição e explicação da ação social. Uma, característica do trabalho da maioria dos sociólogos, vê o ator como socializado e as ações como regidas por normas sociais, regras e obrigações. As principais virtudes desta corrente intelectual são sua capacidade de descrever a ação no contexto social e de explicar a forma como as ações são formadas, constrangidas e redirecionadas pelo contexto social.

A outra corrente intelectual, característica do trabalho da maioria dos economistas, vê o ator como tendo objetivos independentemente alcançados, como se agisse de forma independente, e como inteiramente auto-interessado. A sua virtude principal reside em ter um princípio de ação, o princípio de maximizar a utilidade.

Em trabalhos anteriores (Coleman, 1986a, 1986b), tenho defendido e me dedicado ao desenvolvimento de uma orientação teórica em sociologia que inclui componentes de ambas as correntes intelectuais. Ela aceita o princípio da ação racional ou intencional e tenta mostrar como esse princípio, em conjunto com determinados contextos sociais, pode ser responsável não apenas pelas ações dos indivíduos em contextos particulares, mas também para o desenvolvimento da organização social. No presente artigo, apresento uma ferramenta conceitual para uso neste empreendimento teórico: o capital social. Como pano de fundo para a introdução deste conceito, é útil ver algumas de suas críticas tentativas de modificar as duas correntes intelectuais.

Críticas e REVISÕES


Ambas as correntes intelectuais têm defeitos graves.

A corrente sociológica tem o que pode ser uma falha fatal em um empreendimento teórico: o ator não tem "motor de ação".

O ator é moldado pelo ambiente, mas não há molas internas de ação que dão ao ator um propósito ou direção.

O fluxo econômico, por outro lado, voa em face da realidade empírica: as ações das pessoas são moldadas, redirecionadas, limitadas pelo contexto social; normas, confiança interpessoal, redes sociais, e da organização social são importantes para o funcionamento não só da sociedade, mas também da economia.

Meu objetivo é importar dos economistas o princípio da ação racional para uso na análise dos sistemas sociais, incluindo mas não limitado a sistemas econômicos, e fazê-lo sem descartar a organização social no processo. O conceito de capital social é uma ferramenta para ajudar nisto.

CAPITAL SOCIAL


Vejo duas deficiências importantes em trabalhos anteriores que introduziram a "teoria da troca" na sociologia, apesar do caráter pioneiro deste trabalho. Uma delas foi a limitação às relações microssociais, que abandona a principal virtude da teoria econômica, a sua capacidade para fazer a transição micro-macro das relações pares para o sistema. A outra foi a tentativa de introduzir os princípios de uma forma ad hoc, como "justiça distributiva" ou a "norma de reciprocidade". A antiga deficiência limita a utilidade da teoria, e o último cria um pastiche.

O capital social constitui um tipo particular de recursos disponível para um ator.

O capital social é definido pela sua função. Não é uma entidade única, mas uma variedade de diferentes entidades, com dois elementos em comum: todos eles consistem de algum aspecto das estruturas sociais e facilitam certas ações dos atores enquanto pessoas ou atores corporativos da estrutura. Como outras formas de capital, o capital social é produtivo, possibilitando a realização de determinados fins que, na sua ausência, não seria possível.

No presente artigo, os exemplos e área de aplicação para os quais irei direcionar atenção enfocam o capital social enquanto um recurso para pessoas.

Mercados de diamantes no atacado apresentam uma propriedade que a um estranho é notável.

Um comerciante entrega para outro comerciante um saco de pedras para o último examinar em particular durante o seu lazer, sem seguro formal de que este último não vai substituir uma ou mais pedras por pedras inferiores ou uma réplica.

A observação do mercado de diamantes no atacado indica que laços estreitos, através da família, comunidade e filiação religiosa, fornecem a segurança que é necessária para facilitar as transações no mercado. Se qualquer membro desta comunidade trapacear através da substituição de outras pedras ou através de roubar pedras em sua posse temporária, ele perderia laços familiares, religiosos e comunitários.

Estudantes sul-coreanos ativistas radicais: pensamento radical é repercutido nos “círculos de estudo” clandestinos, grupos de alunos que podem vir da mesma escola ou cidade natal ou igreja.

Esta descrição da base de organização deste ativismo ilustra o capital social de dois tipos. A “mesma escola ou cidade natal ou igreja” fornece as relações sociais em que os “círculos de estudos” são posteriormente construídos.

No mercado Kahn El Khalili do Cairo, é difícil para uma pessoa de fora descobrir as fronteiras entre os comerciantes.

Todo o mercado é tão infundido com relações que ele pode ser visto como uma organização, não menos do que uma loja de departamento.

Alternativamente, pode-se ver o mercado como sendo composto de um conjunto de comerciantes individuais, cada um com um corpo extensível de capital social criado através das relações no mercado.

CAPITAL HUMANO E CAPITAL SOCIAL


O capital humano é criado por mudanças em pessoas que trazem novas habilidades e capacidades que os tornam capazes de agir de novas maneiras.

O capital social, no entanto, se dá por mudanças nas relações entre as pessoas que facilitam a ação.

Se o capital físico é totalmente tangível, sendo incorporado na forma material observável, e capital humano é menos tangível, sendo incorporado nas habilidades e conhecimentos adquiridos por um indivíduo, o capital social é menos tangível, porque ele se dá nas relações entre as pessoas.

Formas de capital social


O valor do conceito de capital social encontra-se em primeiro lugar no fato de que ele identifica certos aspectos da estrutura social por suas funções, assim como o conceito de "cadeira" identifica certos objetos físicos por sua função, apesar das diferenças de forma, aparência e construção.

A função identificada pelo conceito de “capital social” é o valor destes aspectos da estrutura social para atores como recursos que eles podem usar para atingir seus interesses.

O conceito de capital social permite tomar tais recursos e mostrar a forma como eles podem ser combinados com outros recursos para produzir um comportamento  diferente ou, em outros casos, resultados diferentes para os indivíduos.

Algo de valor foi produzido para esses atores que têm esse recurso disponível e que o valor depende da organização social.

Obrigações, expectativas e confiabilidade de Estruturas


Se A faz algo para B e confia B para retribuir no futuro, este estabelece uma expectativa em A e uma obrigação por parte de B. Esta obrigação pode ser concebida como uma operação de crédito realizada por A para o desempenho de B. Se A detém um grande número desses créditos, com um número de pessoas com as quais um tem relações, então a analogia com o capital financeiro é direta.

O mercado El Khalili, no Cairo, descrito anteriormente, constitui um caso extremo de uma tal estrutura social. Em outras estruturas sociais onde os indivíduos são mais autossuficientes e dependem menos uns dos outros, há menos desses créditos em aberto a qualquer momento.

Um caso que ilustra o valor da confiabilidade do ambiente é o das associações de crédito rotativo do sudeste da Ásia e em outros lugares. Estas associações são grupos de amigos e vizinhos que normalmente se reúnem mensalmente, cada pessoa contribuindo para um fundo central que é então dado a um dos membros (por meio de licitação ou por lote), até que, depois de vários meses, cada um dos N pessoas fez N contribuições e recebeu um pagamento.

Como Geertz (1962) aponta, essas associações servem como instituições eficazes para acumular poupança para pequenas despesas de capital, uma importante ajuda para o desenvolvimento econômico.

Não se pode imaginar uma associação de crédito rotativo operando com sucesso em áreas urbanas marcadas por um alto grau de desorganização social ou, em outras palavras, por uma falta de capital social.

Atores individuais em um sistema social também diferem no número de boletos de crédito em circulação que eles podem usar a qualquer momento.

Godfather: detém um extraordinariamente grande conjunto de favores concedidos que ele pode chamar a qualquer momento para conseguir o que quer que seja feito.

Em contextos políticos, como uma legislatura, um legislador em uma posição com recursos extras (como o presidente da Câmara dos Deputados ou o líder da maioria do Senado no Congresso dos EUA) pode, através da utilização eficaz dos recursos, construir um conjunto de obrigações de outros legisladores que torna possível obter a aprovação de leis que em outra situação seriam vetadas. Esta concentração de obrigações constitui o capital social.

Canais de informação


Uma importante forma de capital social é o potencial de informação que é inerente nas relações sociais. A informação é importante para proporcionar uma base para a ação.

Uma pessoa que não está muito interessada em eventos atuais, mas que está interessada em ser informada sobre os desenvolvimentos importantes pode economizar o tempo de ler um jornal por confiar no cônjuge ou em amigos que prestam atenção a essas questões.

Normas e sanções eficazes


Quando existe uma norma e é eficaz, ela constitui uma poderosa, embora às vezes frágil, forma de capital social.

Normas vigentes que inibem o crime tornam possível caminhar livremente à noite em uma cidade e permitir que as pessoas de idade saiam de suas casas sem temer pela sua segurança.

Normas desse tipo são importantes para superar o problema dos bens públicos que existe em coletividades.

Normas vigentes podem constituir uma poderosa forma de capital social.

Este capital social, no entanto, não só facilita certas ações; ele também pode inibir outras ações. Uma comunidade com normas fortes e eficazes sobre o comportamento dos jovens pode acabar atrapalhando que eles se divirtam. Normas que tornam possível andar sozinho à noite também podem restringir as atividades dos criminosos.

Mesmo normas prescritivas que recompensam certas ações estão na verdade dirigindo a energia para longe de outras atividades.

Normas vigentes em uma área podem reduzir a inovação em uma área.

Estrutura social que facilita CAPITAL SOCIAL


Todas as relações sociais e estruturas sociais facilitam algumas formas de capital social; atores estabelecem relações propositadamente e dão sequência a elas quando continuam a fornecer benefícios.

Encerramento de Redes Sociais


Normas surgem como tentativas de limitar efeitos negativos externos ou encorajar os positivos. Mas, em muitas estruturas sociais onde existem estas condições, as normas não chegam a ser criadas. A razão pode ser descrita como a falta de fechamento da estrutura social.

A consequência do fechamento é um conjunto de sanções eficazes que podem monitorar e orientar o comportamento.

Na comunidade na figura 2b, os pais A e D podem discutir as atividades de seus filhos e chegar a algum consenso sobre normas e sanções. O pai A é encorajado pelo pai D a sancionar as ações de seu filho; além disso, o pai D constitui um monitor não só para seu próprio filho, C, mas também para a outra criança, B. Assim, a existência de fechamento intergeracional fornece uma quantidade de capital social disponível para cada um dos pais na criação de seus filhos.

O fechamento da estrutura social é importante não só para a existência de normas eficazes, mas também para uma outra forma de capital social: a confiabilidade das estruturas sociais que permite a proliferação de obrigações e expectativas.

Organização Social apropriável


Moradores se organizaram para confrontar os construtores e para resolver os problemas da construção. Mais tarde, quando os problemas foram resolvidos, a organização manteve-se como capital social disponível que melhorou a qualidade de vida dos moradores. Moradores passaram a ter recursos disponíveis que nunca tiveram onde tinham vivido antes.

Em um conjunto habitacional construído durante a Segunda Guerra Mundial, em uma cidade no leste dos Estados Unidos, havia muitos problemas causados ​​pela construção de baixa qualidade.

No exemplo de estudantes radicais sul-coreanos utilizado anteriormente, uma organização que foi iniciada com um único propósito acaba disponível para apropriação para outros fins, constituindo um capital social importante para os membros individuais, que têm à sua disposição os recursos organizacionais necessários para uma oposição eficaz.

Simplex e as relações multiplex: neste último, as pessoas estão ligadas em mais de um contexto (vizinho, colega de trabalho, colega pai, correligionário, etc.), enquanto que no primeiro, as pessoas estão ligadas através de uma única dessas relações.

A propriedade central de uma relação multiplex é que ela permite que os recursos de uma relação sejam apropriadas para utilização em outros.

CAPITAL SOCIAL NA CRIAÇÃO DE CAPITAL HUMANO


Há um efeito do capital social que é especialmente importante: seu efeito na criação de capital humano na próxima geração. Tanto o capital social na família e capital social na comunidade desempenham um papel na criação de capital humano na nova geração.

Capital social da família


Histórico familiar é analiticamente separável em pelo menos três componentes distintas: o capital financeiro, capital humano e capital social.

O capital financeiro é aproximadamente medido pela riqueza da família ou renda. Ele fornece os recursos físicos que podem ajudar nas conquistas: um lugar fixo em casa para estudar, materiais que ajudam a aprender, os recursos financeiros que suavizam os problemas familiares. O capital humano é aproximadamente medido pela educação dos pais e oferece o potencial para um ambiente cognitivo para a criança que auxilia na aprendizagem. O capital social dentro da família é diferente de qualquer um destes.

John Stuart Mill, em uma idade anterior à maioria das crianças que frequentam a escola, aprendeu latim e grego com seu pai, James Mill.

Famílias asiáticas compraram 2 cópias dos livros: uma para o filho e outra para a mãe estudar a fim de ajudar seu filho a ir bem na escola.

É claro que é verdade que as crianças são fortemente afetadas pelo capital humano possuído por seus pais. Mas este capital humano pode ser irrelevante para os resultados das crianças se os pais não são uma parte importante da vida de seus filhos, se o seu capital humano é empregado exclusivamente no trabalho ou em outro lugar fora de casa.

O capital social da família é a relação entre pais e filhos.

Se o capital humano possuído pelos pais não é complementado pelo capital social incorporado nas relações familiares, é irrelevante para o crescimento educacional da criança que o pai tenha uma grande ou uma pequena quantidade do capital humano.

O capital social no seio da família que dá o acesso da criança ao capital humano do adulto depende tanto da presença física de adultos na família quanto da atenção dada pelos adultos à criança.

Irmãos mais jovens e crianças em famílias grandes têm menos atenção do adulto, o que produz resultados educacionais mais fracos.

Podemos pensar na proporção de adultos para crianças no núcleo familiar como uma medida do capital social na família disponível para a educação de qualquer um deles.

Os dados indicam que o capital social na família é um recurso para a educação das crianças da família, assim como é o capital financeiro e humano.

Capital social fora da família


O capital social que tem valor para o desenvolvimento de uma pessoa jovem pode ser encontrado tanto fora quanto dentro da comunidade, e consiste nas relações sociais que existem entre os pais, no fechamento exibido por esta estrutura de relações, e nas relações dos pais com as instituições da comunidade.

Para as famílias que se mudaram muitas vezes, as relações sociais que constituem o capital social são quebradas a cada mudança. Seja qual for o grau de fechamento intergeracional disponível para outras pessoas da comunidade, não está disponível para os pais em famílias móveis.

As escolas secundárias com base religiosa são cercados por uma comunidade baseada na organização religiosa. Estas famílias têm fechamento intergeracional que se baseia em uma relação multiplex: qualquer que sejam as outras relações que eles tenham, os adultos são membros do mesmo corpo religioso e pais de crianças na mesma escola.

As escolas privadas independentes são tipicamente menos cercadas por uma comunidade, seus corpos estudantis são apenas coleções de estudantes, cujas famílias na maioria das vezes não mantêm contato.

A escolha de escola particular para a maioria desses pais é uma escolha individualista, e, apesar de apoiar seus filhos com vasto capital humano, eles enviam seus filhos a essas escolas desnudas do capital social.

O que é mais impressionante é a baixa taxa de abandono nas escolas católicas. A taxa é de um quarto do que ocorre nas escolas públicas e um terço do que se vê nas outras escolas particulares.

Amostra de escolas privadas não-católicas:
Se a inferência está correta sobre a comunidade religiosa fornecendo fechamento intergeracional e de capital, portanto, social e sobre a importância do capital social na redução da possibilidade de abandono da escola, essas escolas também devem mostrar uma taxa de abandono inferior às escolas privadas independentes. Ítem 3 da Tabela 2 mostra que a taxa de abandono é mais baixa, 3.7%, essencialmente a mesma que a das escolas Católicas.

Bens públicos ASPECTOS DO CAPITAL SOCIAL


Os tipos de estruturas sociais que tornam possíveis as normas sociais e as sanções que as impõem não beneficiam somente a pessoa ou as pessoas cujos esforços seriam necessário para viabilizá-los, mas beneficiam todos aqueles que fazem parte dessa estrutura.

A decisão de mudar de comunidade para que o pai, por exemplo, possa ter um trabalho melhor pode ser inteiramente correta do ponto de vista daquela família. Mas, porque o capital social é composto de relações entre as pessoas, outras pessoas podem sofrer perdas extensivas pelo rompimento dessas relações.

Normas são intencionalmente estabelecidas, na verdade, como meio de reduzir as externalidades, e seus benefícios são normalmente capturados por aqueles que são responsáveis por estabelecê-los. Mas a capacidade de estabelecer e manter normas vigentes depende das propriedades da estrutura social.

Porque as condições estruturais sociais que superam os problemas de abastecer esses bens públicos (isto é, famílias fortes e fortes comunidades) são muito menos frequentemente presentes agora do que no passado, e prometem ser ainda menos presentes no futuro, nós podemos esperar que nos deparamos com uma quantidade decrescente de capital humano incorporado em cada geração sucessiva.

A solução óbvia parece ser a de tentar encontrar maneiras de superar o problema da oferta destes bens públicos, isto é, o capital social empregado em benefício de crianças e jovens. Isto muito provavelmente significa a substituição de algum tipo de organização formal para a organização social voluntária e espontânea que foi no passado a principal fonte de capital social disponível para os jovens.

CONCLUSÃO



Uma propriedade compartilhada pela maioria das formas de capital social que a diferencia de outras formas de capital é o seu aspecto de bem público: o agente ou os agentes que geram o capital social ordinariamente capturam apenas uma pequena parte de seus benefícios, fato que leva à falta de investimento no capital social.

Nenhum comentário: